Superstição, né!

Curiosidades

Difícil imaginar que pessoas tão acostumadas à tecnologia, à modernidade ainda cultivem e acreditem cegamente em crendices populares. Mas é a mais pura verdade, é raro encontrar um japonês que não acredita que, por exemplo, o número 4 pode trazer azar. Mais raro ainda, é conseguir encontrar um japa que não acredita em fantasmas.

Segue abaixo uma pequena lista com as superstições mais populares aqui no Japão.


Não mate uma aranha à noite
Você pode perder todo o dinheiro que possui. Como a situação econômica do arquipélago não é das melhores, deixe os aracnídeos sossegados.

Alerta para quem tem medo de cobras: …
…não assobiem à noite, porque poderão topar com uma representante da família dos répteis ofídios. Além de cobra, pode também ser um ladrão.

Reza a crendice japonesa…
…que muitas pessoas que se deitam após comer podem se transformar em um boi. Mesmo que essa metamorfose não se concretize, é certo que estará ganhando alguns quilinhos a mais se adquirir o hábito.

Jamais coma enguia com “umê” em conserva (ou “tempurá” com melancia)
Essas superstições lembram os ditos brasileiros de “não tomar leite depois de comer manga”.

“Se comprar sapatos novos, …
…evite estreá-los à noite. Isso pode trazer má sorte.

Para quem vive tentado a sorte…
…grande nas loterias, uma boa dica: se você encontrar um pedaço de couro de cobra, deve guardá-lo na carteira. Segundo dizem, isso fará com que você fique rico. Não custa arriscar.

Quando estiver em um local cujo piso é de tatame…
…não pise nas bordas para não atrair má sorte.

Enfiar os talhares japoneses (hashis) em uma tijela de arroz…
…além de ser delito de etiqueta gastronômica dos mais graves, ainda é uma provocação ao outro mundo. Isso porque, no Japão, os hashis são cravados na tijela de arroz somente em uma situação: para deixar o arroz no altar em oferenda aos mortos.

Nunca passe comida de seu hashis para os de outra pessoa.
Após a cremação, em um funeral japonês, os parentes costumam utilizar os hashis para passar os ossos do falecido uns para os outros.

Deixe uma resposta