Massa cinzenta: Os dois lados do cérebro

Massa cinzenta

Você se considera uma pessoa criativa e emotiva, ou uma pessoa lógica e racional? Sabia que isto está relacionado com qual lado do cérebro você usa mais? Neste artigo você vai aprender porque isso acontece e como trabalhar melhor ambos os lados do cérebro. O lado do cérebro que nós nos habituamos a usar mais tem grande influência em nossa vida, desde nossa carreira profissional até nossos relacionamentos. O lado esquerdo do cérebro trabalha a parte lógica, exata, calculista, voltada para a razão, também a fala e a linguagem. O lado direito do cérebro é o inverso, trabalha com o abstrato, com imagens, rima, música, ritmo, criatividade.

Um dos problemas que a maioria das pessoas encontra é que trabalham quase exclusivamente com o lado esquerdo, esquecendo de trabalhar com o lado direto. Pesquisando por aí encontrei um texto muito interessante que retrata muito bem isto:

Desde pequenos somos acostumados a pensar verticalmente. Na escola, como em casa, sempre nos ensinaram que devemos fazer tudo certinho, que devemos ser objetivos, práticos, eficazes, e que a “ousadia” é um perigo que pode custar muito caro. Cientificamente, isto quer dizer que somos educados para utilizar exclusivamente o lado esquerdo do cérebro – o lado da razão e do raciocínio lógico. Porém, e o lado direito – o da imaginação, da intuição, da inventividade – como fica? Atrofiado? É exatamente esta a dificuldade. A maioria das pessoas pensa somente com o lado esquerdo do cérebro. Poucas pessoas usam também o lado direito. Assim, quando se deparam com um problema de difícil solução, ficam com a mente paralisada, sem alternativa, não é mesmo?

É preciso aprender a usar o lado direito do cérebro. É justamente nesse lado que se concentram todas as nossas potencialidades criativas. É preciso explorar esse mundo de talento que você tem na cabeça. Desenvolvendo tão-somente o seu raciocínio lógico, certamente você se tornará uma pessoa muito inteligente, porém, talentoso e criativo você só será quando desenvolver toda sua capacidade de “imaginar” e de “ousar”.

Você pode acreditar no que eu vou lhe dizer agora: todos os grandes gênios que você conhece ou já ouviu falar – Chopin, Van Gogh, Matisse, Pasteur, Sabin, Nijinski, Pascal, Camões, Dante, Picasso, Cervantes – TODOS foram useiros e vezeiros em explorar o lado direito do cérebro a procura do original, do incomum, do diferente. Porque o comum e o banal, meu irmãozinho, todo mundo faz. O “barato” é fazer diferente. Porém um “diferente” melhor, um “diferente” bom para os outros, bom para o mundo, bom para a vida. E esse “diferente” só se consegue a custa de muito estudo, muita ousadia, muita determinação. A ferramenta você tem: o cérebro. É só “brincar” com ele que você chega lá!

É preciso que se diga, contudo, que o pensamento criativo não surge do nada, não é obra do acaso. Não adianta ficar na beira da praia esperando que um pensamento genial caia do céu porque não cai, não! Para que o espírito criativo baixe no seu terreiro é preciso que o seu cérebro tenha substância, ou seja, que tenha uma quantidade de informações suficientemente grande para que as idéias possam brotar na sua mente. Depois, é só seguir o conselho do grande Thomas Edison: “qualquer homem pode alcançar o êxito se dirigir seus pensamentos numa direção e insistir neles até que faça alguma coisa”. É isso aí, meu jovem: insistir até que alguma coisa aconteça!

Louis Pasteur teve um derrame cerebral aos 46 anos, ficando com todo o lado esquerdo do corpo paralisado. Nessa época ele ainda não era um cientista famoso e ainda estudava a pebrina, uma doença que atacava a cultura dos bichos-da-seda. Mesmo debilitado pela doença e deprimido pela morte prematura das suas três filhas, Pasteur continuou trabalhando, pesquisando.

Como se não bastante tanta dor e tanto sofrimento, Pasteur ainda foi ridicularizado na Academia de Medicina por suas teses sobre a esterilização dos ambientes hospitalares. Mas continuou trabalhando, pesquisando. Até que em 1885 – quase vinte anos depois do derrame sofrido – Louis Pasteur trata e cura, pela primeira vez na história da medicina, um garoto atacado por raiva. Ele insistiu, ousou, não temeu o ridículo… e realizou!”

Saiba qual lado do seu cérebro você esta usando mais agora fazendo este teste: http://www.rashuah.com.br/testes/hemisferios.htm

Se você usa um ou outro lado com predominância, não se assuste. Todo mundo pode aperfeiçoar o lado que usa menos, e assim conseguir um melhor uso do seu cérebro.

Para estimular mais o lado esquerdo:
– Seja totalmente objetivo;
– São os fatos que importam;
– Decida e resolva problemas usando a lógica;
– Questione sempre suas premissas e suas conclusões ;
– Seja exato e preciso na sua comunicação;
– Trate os outros com justiça;
– Mantenha uma agenda de compromissos;
– Chegue a conclusões ordenadamente e passo a passo;
– Priorize tarefas e faça a mais importante primeiro;
– Mantenha uma lista diária de tarefas e siga-a;
– Seja organizado, pontual e confiável;
– Aprenda a gostar de procedimentos, regras e normas.

Para estimular mais o lado direito:
– Leia sempre, para estimular as ideias;
– Faça associações originais de ideias;
– Confie nos seus instintos e palpites;
– Use sempre imagens mentais; fantasie, sonhe;
– Estimule a criatividade com jogos, danças e música;
– Reconheça seus sentimentos e confie neles;
– Entenda as pessoas a partir dos seus próprios sentimentos;

Às vezes temos dificuldade em “chamar” o lado direito do cérebro. Para isto basta relaxar e se concentrar que o lado intuitivo e criativo começa a trabalhar.
Algumas atividades como essa são ótimas para aumentar a concentração:

Fale em voz alta as cores da palavra e não a palavra escrita:

O que achou? Difícil?

Alguma sugestão ou duvida? Mande pra mim e terei o maior prazer em responder:

[email protected]
http://twitter.com/dudufranco89

Abraços!!!

“O cerébro é como um para-quedas. Só funciona quando está aberto.” (Sir James Dewar)

12 comentários

Jessica R C

Esse texto me fez lembrar de Immanuel Kant que nos explica que não adianta apenas termos / usarmos o lado metafísico, por exemplo, pois precisamos do físico para explicar, mostrar, definir, tornar tangível nossas ideias a outros. É obvio que para usarmos esses dois campos e claro usar os dois lados do cérebro, como dito no texto acima, precisamos de referências e experiências, valendo a pena cercar-se de informações, estímulos, e assim desenvolver sua criatividade, inteligência….para assim ligar e usar os “lados cinzentos” junto com a criatividade e inovação em sua vida de uma maneira lógica, mas sem perder a emoção, pois como diz o rei: São tantas emoções… =)

Responder

Deixe uma resposta