Eureka! Indolor

Eureka

Eureka! IndolorOlá, pessoal. Como estão? De minha parte, digo que estou banguela, porém, feliz. Banguela porque sofri uma extração dos sisos na quarta-feira passada, e feliz porque já extraí os quatro e, portanto, não vou precisar sofrer isso nunca mais!

Eureka! Indolor

Durante os dias em que fiquei em casa convalescendo do estupro bucal que sofri, fiquei pensando como era a vida dos nossos antepassados que não contavam com os benefícios da boa e velha anestesia. Coitados.

Dizem que, há uns 3 mil anos, o ópio era usado como um tipo de anestésico. Mas assim é fácil: o cara usa ópio, fica doidão e nem sente nada que fazem com ele. Fiofó de quem usa ópio é igual de bêbado: não tem dono.

Em 1844, o dentista Horace Wells assistia a uma espécie de palestra e percebeu que as pessoas, sob efeito de um gás hilariante, não sentiam dor quando tropeçavam nas cadeiras do teatro. Pelo contrário, o povo devia estar rachando de rir. Então, Wells teve a brilhante ideia de usar esse gás em seus pacientes. Aí temos duas versões da história. A primeira: Wells foi fazer uma extração em um voluntário, para demonstrar seu método, só que a quantidade do gás foi insuficiente. Resultado: o coitado berrou de dor e Wells ficou para sempre com fama de charlatão. A segunda: tudo ia às mil maravilhas, até que um dos pobres pacientes-cobaia morreu na cadeira do dentista. Wells foi condenado à prisão.

Eureka! Indolor
Wells

Em 1846, o também dentista Thomas Green Morton utilizou, pela primeira vez, o éter como anestésico em uma cirurgia de grande porte. Ele já vinha fazendo extrações dentárias utilizando o método, conseguindo fazer o procedimento sem que os pacientes sentissem dor. Esta foi a primeira experiência concreta de anestesia geral e a cirurgia foi considerada um sucesso. Daí pra frente as coisas só fizeram evoluir. Hoje (graças aos céus), já temos anestesias poderosas que permitem fazer desde cirurgias superficiais até as mais complexas, sem dor alguma. Na hora, porque a dor pós-operatória já é outro papo.

Eureka! Indolor

Se você quer saber mais sobre a invenção da anestesia, clique aqui e aqui.

Então a gente fica assim: enquanto eu começo a comer coisas sólidas novamente, você deixa sua sugestão de tema nos comentários e me segue no Twitter (@nataliasgv)! Semana que vem eu volto!

Beijos!

Deixe uma resposta